EducaçãoComo ensinar os alunos a escrever de forma clara? Saiba agora!

21 de agosto de 2018

O dia a dia, o mercado de trabalho e as avaliações oficiais (como veremos a seguir) revelam que os estudantes brasileiros têm dificuldades para expressar suas ideias por escrito. Diante desse cenário, os educadores ficam com uma questão em mente: como ensinar os alunos a escrever de forma clara? Os números são realmente alarmantes. Em...

O dia a dia, o mercado de trabalho e as avaliações oficiais (como veremos a seguir) revelam que os estudantes brasileiros têm dificuldades para expressar suas ideias por escrito. Diante desse cenário, os educadores ficam com uma questão em mente: como ensinar os alunos a escrever de forma clara?

Os números são realmente alarmantes. Em 2015, entre os 5,8 milhões de participantes do ENEM, apenas 104 tiraram a nota máxima em redação. Em 2016, esse número caiu para 77 e, em 2017, somente 53 estudantes conseguiram esse resultado.

Com um problema tão evidente, não é possível pensar em melhoria na educação sem desenvolver estratégias para solucioná-lo. Por isso, vamos tratar do assunto nos próximos parágrafos e mostrar os princípios essenciais para o educador que deseja melhorar o desempenho de seus alunos na produção de textos. Confira!

Saiba como ensinar os alunos a escrever de forma clara

Estabeleça objetivos compatíveis com a série escolar

O desenvolvimento da competência de escrita é um processo longo. Nele, está envolvido o domínio de uma série de conhecimentos linguísticos e gerais adquiridos gradualmente, no decorrer da escolaridade. Entre as qualidades que contribuem para a proficiência na escrita, podemos destacar:

  • vocabulário;
  • bom uso da pontuação e da gramática;
  • compreensão da finalidade e da estrutura de cada gênero textual.

Portanto, essa habilidade é desenvolvida à medida que o aluno tem contato com os conteúdos acima e, principalmente, aprende a aplicá-los na comunicação. Por esse motivo, os objetivos referentes à produção textual precisam ser estabelecidos de forma progressiva, coerente com o nível de ensino. Eles devem desafiar o aluno a alcançar um novo patamar, mas sempre de acordo com suas possibilidades.

Destaque a leitura no processo de aprendizagem

O ser humano tem, naturalmente, o impulso da comunicação. Aprendemos a falar a partir da nossa interação com falantes. Quando se trata da escrita, esse diálogo acontece por meio da leitura.

Por isso, o primeiro passo para formar escritores competentes é criar bons leitores. À medida que o aluno aprecia e valoriza tudo o que recebe por meio da leitura, ele se sente estimulado a compartilhar suas próprias experiências, percepções e opiniões por meio da escrita. Portanto, trata-se da construção de significado e valor (do “por que escrever”).

A partir do momento em que dá aos estudantes uma motivação para escrever, a leitura passa a desempenhar outros papéis. Ela veicula informações e amplia o repertório do aluno, fazendo com que ele tenha “o que escrever”. Finalmente, essa prática o familiariza com os diferentes gêneros textuais, para que ele saiba “como escrever”.

Escolha estratégias efetivas para o grupo

Assim como os objetivos, as estratégias utilizadas devem ser compatíveis com a série e o nível de desenvolvimento dos estudantes. É essencial fornecer estímulos adequados a cada faixa etária, promovendo o engajamento e despertando o prazer de compartilhar pensamentos ou experiências por meio da escrita.

Para ensinar os alunos a escrever de forma clara ou proficiente, a produção textual precisa ser muito bem planejada e executada. É necessário que ela seja o ponto culminante de um processo de aprendizagem — e não uma atividade isolada.

Torne a produção textual consciente

A atividade de escrita deve ser desenvolvida de forma consciente. Isso significa que o estudante precisa, em primeiro lugar, ter um objetivo claro ao desenvolvê-la. Qual é o propósito do texto que será construído? Ele vai contar uma história? É preciso convencer o leitor de determinada ideia ou posicionamento? Será narrado um fato, uma ocorrência? Pretende-se emocionar, divertir ou informar?

A partir dessa definição, o estudante pode estabelecer o gênero textual mais apropriado para alcançar seu objetivo. Mais do que isso, ele deve conhecer a estrutura e os elementos de cada um deles, além de aprender a usá-los de modo a transmitir sua mensagem.

Portanto, o professor ensina a planejar e executar as diferentes etapas da produção textual, como título, enredo e estrutura. Depois, ele atua como orientador na escrita do conteúdo e na revisão do texto. À medida que se torna cada vez mais consciente desse processo, o aluno adquire a capacidade de realizar esse ciclo sozinho no futuro.

Forneça subsídios

Professores e alunos estão em um processo constante de construção de conhecimento. Mesmo quem já concluiu várias etapas de ensino se depara com assuntos que não conhece, além de temas novos e desafiadores, que exigem pesquisa e estudo.

Por esse motivo, todo trabalho de escrita deve ser precedido de um preparo. É extremamente produtivo explorar o tema da produção por diferentes perspectivas: vídeos e análises de imagens ou textos de vários gêneros (jornalísticos, charges, quadrinhos, poesias), além de uma ampla discussão.

Recorra à tecnologia

A tecnologia é uma fonte infinita de pesquisa, na qual o educador consegue encontrar todos os recursos necessários para a etapa anterior. Eles estão não só nos sites abertos da internet, mas também em plataformas desenvolvidas especificamente para contribuir com o trabalho do professor.

Além de ser uma fonte de conhecimento, a tecnologia desempenha outro papel fundamental: o de veículo de compartilhamento. Afinal, os textos são produzidos pensando sempre em um destinatário.

O jornal escreve para seus leitores, a mensagem de aplicativo é destinada aos amigos, o autor do livro tem um público em mente. Sem um destinatário, a produção se torna desestimulante. Planejar, escrever e revisar para ver o produto arquivado em uma gaveta, na maioria das vezes, faz o escritor entender que o esforço não vale a pena.

Nesse sentido, a web ganha destaque. O educador pode criar espaços virtuais que reúnem diferentes grupos de alunos, nos quais as produções são publicadas e discutidas.

Mostre a importância da revisão

Além de planejar e escrever o texto, o aluno precisa ser ensinado a revisá-lo e reescrevê-lo. Essas ações também fazem parte da produção e contribuem para que o escritor se certifique de que as ideias foram expressas de acordo com seus objetivos. Para tanto, a revisão não pode ser apenas ortográfica ou gramatical. O desenvolvimento da capacidade de enxergar o texto com os olhos do leitor e de identificar pontos que não estão claros ou transmitindo a ideia que o escritor intencionava deve começar cedo.

Há muitas formas de desenvolver esse olhar, inclusive trabalhando em grupos. Já no Ensino Fundamental, os alunos podem receber trechos que necessitem de aperfeiçoamento, discuti-los em grupo e reelaborar uma escrita em conjunto. Com o passar do tempo, o professor deve incentivá-los a fazer essa revisão e reescrita por meio de troca e, finalmente, a demonstrar tal consciência em relação à própria produção.

É preciso aperfeiçoar constantemente a prática docente, mostrando como ensinar aos alunos a escrever de forma clara. Esperamos que o artigo de hoje tenha contribuído para o alcance desse objetivo.

Gostou do nosso post sobre como ensinar os alunos a escrever de forma clara e quer ter acesso a outros conteúdos relevantes para o universo pedagógico? Assine nossa newsletter e receba-os diretamente em seu e-mail. Inscreva-se agora mesmo!

Compartilhe nas redes:

Leitura transforma

Siga a Árvore nas redes sociais /leianaarvore

   

Copyright © 2021 Árvore. Todos os direitos reservados.

Compartilhe nas redes: