LeituraQuem nunca julgou um livro pela capa?

4 de julho de 2017

Você já entrou numa livraria e a capa de um livro te chamou tanta atenção, que o fez comprá-lo? Ou então decidiu ler um livro digital, por exemplo, por conta da capa? Isso é algo muito comum e acontece porque somos atraídos pela imagem. Se ela nos toca de alguma forma, seja causando uma curiosidade,...

Você já entrou numa livraria e a capa de um livro te chamou tanta atenção, que o fez comprá-lo? Ou então decidiu ler um livro digital, por exemplo, por conta da capa? Isso é algo muito comum e acontece porque somos atraídos pela imagem. Se ela nos toca de alguma forma, seja causando uma curiosidade, um sentimento positivo ou um apelo emocional qualquer, sentimos a necessidade de ter contato com tal material.

A primeira função designada às capas era a de proteger seu valioso conteúdo. As capas dos primeiros livros tinham essa única função, por isso eram duras e resistentes e não tinham nenhum apelo estético. Com o tempo, as formas de impressão foram evoluindo e as capas acabaram adquirindo uma outra função: a de identificar o livro. A preocupação em criar uma identidade para a obra foi crescendo e essa preocupação tinha como objetivo fazer com que a capa se tornasse única.

O livro, sobretudo no mundo contemporâneo, é tratado também como um produto. Ao longo do tempo, a tecnologia foi aumentando, as formas de se imprimir tornaram-se mais baratas e, consequentemente, o livro deixou de ser um produto de luxo e passou a ser um produto de varejo, algo a ser comercializado e, por isso, rentável. Para que um bom produto seja um sucesso em vendas, ele precisa, além de um bom conteúdo, ter uma embalagem que seja atraente, que informe sobre o que se trata o produto. Mas a capa não é uma embalagem convencional, pois um livro é um objeto muito especial, as pessoas têm uma relação de afeto e respeito por ele, por isso é uma tarefa de muita responsabilidade criar a capa de um livro. Este é um dos raros casos em que a embalagem faz parte do produto, que não será descartada e permanece conectada à ele durante toda sua vida útil.

Como dito, existem casos onde a capa atrai o leitor, mas não podemos ignorar o fato de que elas, às vezes, também o repele. Existem lindas capas para obras ruins e capas ruins para excelentes obras. No caso de capas ruins, o que geralmente atrai o leitor é o nome do autor. E, por isso, é muito importante que o profissional responsável pela criação da identidade visual e o escritor/autor conversem, pois a imagem representará, em forma de signos, toda a estória contada.

A capa de um livro pode carregar os mais variados significados. Pode, por exemplo, retratar uma cena da história contada no livro. Pode ter um estilo mais minimalista e representar de forma subjetiva o conteúdo. Pode ser formada apenas pelo título do livro. Pode ter ilustrações, fotografias, fotomontagem. Os objetivos que uma capa pode ter, dependerá fortemente do público ao qual pretende atingir. Independente do estilo gráfico que você preferir, não esqueça que nunca devemos julgar um livro pela capa! Fica a dica: leia sempre a sinopse.

Compartilhe nas redes:

Leitura transforma

Siga a Árvore nas redes sociais /leianaarvore

   

Copyright © 2021 Árvore. Todos os direitos reservados.

Compartilhe nas redes: