LeituraQuais são os direitos dos leitores?

20 de setembro de 2016

Sempre ressaltamos a importância da leitura aos jovens, sejamos educadores, pais, ou simpatizantes de uma cultura que abre espaço para os livros. Afinal, aquelas páginas (ou suportes digitais) com aquelas letrinhas são um passaporte capaz de levar o leitor a lugares inimagináveis, como um castelo mal-assombrado, outro planeta, outro país, para o passado e até...

Sempre ressaltamos a importância da leitura aos jovens, sejamos educadores, pais, ou simpatizantes de uma cultura que abre espaço para os livros. Afinal, aquelas páginas (ou suportes digitais) com aquelas letrinhas são um passaporte capaz de levar o leitor a lugares inimagináveis, como um castelo mal-assombrado, outro planeta, outro país, para o passado e até para um futuro distante.

Na verdade, ressaltamos estes princípios não somente às novas gerações, mas também a nós mesmos. Essa autoafirmação já está enraizada em nossa cultura. Agora, cá entre nós quem nunca leu um livro chato na vida? Quem ao menos uma vez não teve que finalizar uma leitura com se estivesse cumprindo uma sentença, um fardo?! Vez ou outra, deparamos com uma leitura de ritmo árduo, em que você vira páginas e páginas e ainda tem mais um monte delas. Dá vontade de pular alguns parágrafos, um ou outro capítulo… Mas, espere aí. Quem disse que não pode?

Quem nunca leu um livro chato na vida?

shutterstock_191544638
Leia o que quiser, onde quiser, quando quiser, se quiser

A leitura é um bem pertencente ao leitor que tem todo direito de reivindicar seu prazer ao longo das páginas.

Daniel Pennac é professor de Francês em uma escola em Paris, um dos autores mais importantes da literatura popular francesa contemporânea e um apaixonado por pedagogia. Ele escreveu um livro intitulado Como um Romance (1992) no qual discute os direitos imprescritíveis do leitor, o que quebra exatamente esse estigma da leitura metódica que dita uma forma padrão a ser seguida. A leitura é um bem pertencente ao leitor que tem todo direito de reivindicar seu prazer ao longo das páginas.

4139119973_f7081075c6_b
Daniel Pennac autor do livro “Como um Romance”/ Imagem: Flickr

Segundo Pennac, é direito do leitor pular páginas, ou não terminar o livro. É direito do leitor, ler onde quiser; ler em voz alta; ler trechos aleatórios a hora que quiser. É direito do leitor, reler o livro e é direito dele também não ler o livro, se assim desejar.

São decisões tão simples, que não percebemos que estão em nossas mãos e que podem fazer de um livro aparentemente desinteressante algo divertido e proveitoso. Então, o que você acha? Que tal se desprender dessa leitura padrão ao qual estamos acostumados e testar essa liberdade que é um direito seu?

Compartilhe nas redes:

Leitura transforma

Siga a Árvore nas redes sociais /leianaarvore

   

Copyright © 2021 Árvore. Todos os direitos reservados.

Compartilhe nas redes: