EducaçãoSaiba agora como usar a realidade virtual na sala de aula!

15 de agosto de 2018

Em 1995, quando Bill Gates publicou A Estrada do Futuro, as possibilidades descritas no livro pareciam utopia. O autor falava que o professor poderia, por meio da internet, trazer praticamente qualquer informação aos seus alunos com textos, vídeos e imagens da rede. Porém, estamos perto de vivenciar uma revolução ainda mais profunda: com a realidade...

Em 1995, quando Bill Gates publicou A Estrada do Futuro, as possibilidades descritas no livro pareciam utopia. O autor falava que o professor poderia, por meio da internet, trazer praticamente qualquer informação aos seus alunos com textos, vídeos e imagens da rede.

Porém, estamos perto de vivenciar uma revolução ainda mais profunda: com a realidade virtual na sala de aula, será possível levar os estudantes até qualquer lugar do Universo, desde a microscópica célula até um planeta distante.

Quer saber mais sobre esse assunto e descobrir como a realidade virtual pode promover uma verdadeira viagem ao conhecimento? Então, não perca este post. Vamos explicar como essa tecnologia tem sido aplicada à Educação e as vantagens de sua utilização.

O que é realidade virtual? 

Trata-se de uma tecnologia que permite a imersão do usuário em um ambiente virtual, por meio de um sistema computacional. Equipamentos e sensores estimulam os sentidos do usuário, simulando diversas situações.

À medida que induz efeitos visuais, sonoros, táteis e sensações relacionadas à localização e posicionamento, o usuário experimenta uma imersão completa no ambiente simulado. Ele pode interagir ou não com os objetos presentes, dependendo da configuração do recurso.

Essa tecnologia já é usada no entretenimento há algum tempo, tendo um papel cada vez mais destacado no mercado de games. Apenas a título de exemplo temos as montanhas-russas virtuais. O usuário pode, por meio de um dispositivo, ter as mesmas sensações de alguém que está no parque de diversões, mesmo que fique sentado em um banco convencional. 

Na Medicina, essa tecnologia permitiu grandes avanços. Muitos médicos aprendem a realizar cirurgias e treinam o procedimento por meio dessa técnica. No dispositivo, eles veem exatamente o que um cirurgião veria nessas situações e, ao realizarem movimentos com o bisturi e outros equipamentos cirúrgicos, obtém o mesmo tipo de resposta que seria dado pelo organismo do paciente. 

O comércio também tem aplicado essa tecnologia. O consumidor já pode caminhar virtualmente por algumas lojas, ver exatamente o que um cliente vê no ponto físico, escolher mercadorias e comprá-las utilizando esse recurso.

Com todo esse potencial de simular a realidade e provocar experiências imersivas, você talvez esteja pensando por que essa tecnologia ainda não é aplicada à Educação. Na verdade, ela já faz parte da realidade de muitas salas de aula. Descubra como no próximo tópico!

Como aplicar a realidade virtual na sala de aula?

Atualmente, há muitos educadores e organizações engajados na busca de aplicações para a realidade virtual na sala de aula. Esse esforço deu origem a vários projetos relevantes. Destacaremos alguns a seguir.

Trabalhos de campo

Em muitas disciplinas, os alunos só conhecem o objeto de estudo por meio da descrição do livro didático ou de imagens. Dificuldades relacionadas a custos, disponibilidade e logística inviabilizam trabalhos de campo que seriam úteis para uma experiência significativa.

A realidade virtual minimiza esse problema. Ela pode levar os alunos a esses ambientes, fazer com que eles os visualizem em detalhes e tenham sensações muito semelhantes às de quem vive essa experiência in loco. Esse é o caso de visitas a áreas naturais, por exemplo, ou até mesmo ao fundo do mar ou outro planeta.

Sessões de integração

Também existe a possibilidade de usar a tecnologia como uma ferramenta social. Uma atividade lúdica e coletiva, aplicada por meio da realidade virtual, pode facilitar a interação e contribuir para a integração de alunos mais tímidos. 

Trabalho conjunto com livros

Naturalmente, os livros nos transportam a outras realidades por meio da imaginação. No entanto, essa possibilidade pode ficar limitada pela falta de conhecimento dos alunos sobre um determinado local ou época.

O professor pode usar essa tecnologia na sala de aula para ajudar os alunos a adquirirem esse conhecimento. A visita virtual ao local onde os personagens foram ambientados é uma das atividades que proporcionam essa experiência antes da leitura do livro. Dessa forma, amplia-se o potencial de imersão dos estudantes na história. 

Em pouco tempo, pode ser que o contrário aconteça. Já imaginou como seria fantástico se os alunos conseguissem reconstruir o ambiente e as cenas de um livro, a partir das descrições do autor? Vale a pena acompanhar essa tendência e permanecer aberto a essa possibilidade de explorar a imaginação e criatividade dos alunos. 

Experiências profissionais

Hoje em dia, a escola está bem distante das experiências do mercado de trabalho. A integração entre esses dois espaços é difícil devido a vários fatores. O deslocamento frequente é inviável, as empresas nem sempre permitem esse tipo de excursão e em alguns casos não é possível levar os alunos a locais onde existem riscos.

Com a realidade virtual, os estudantes podem fazer um tour por esses ambientes. É possível acompanhar a rotina dos trabalhadores como se eles estivessem no local, visualizar cada etapa da produção e até mesmo observar o que acontece dentro de uma máquina — o que nem mesmo os colaboradores da empresa conseguem fazer.

Desafios aos alunos

Como o ambiente virtual não tem os mesmos riscos do ambiente físico, os alunos podem ser desafiados a testarem seus limites. O professor tem a liberdade e a segurança necessária para criar situações que exigem a simulação de experiências físicas e químicas, além de projetos de robótica e interatividade em que os estudantes possam comprovar as teorias aprendidas.

Que benefícios a realidade virtual traz à Educação?

A capacidade de imersão nas experiências propostas traz uma série de benefícios à Educação. Destacamos as principais nos próximos tópicos.

Maior interesse dos alunos

A experiência imersiva é muito mais empolgante que a descrição. O estudante tem um nível de contato ou interação com o objeto de estudo que seria improvável na vida real, o que desperta o interesse e motiva a aprendizagem.

Facilidade de compreensão

A realidade virtual promove a concretização de ideias e conceitos. Ao ver como um determinado sistema do corpo funciona, por exemplo, o aluno aprende exatamente como todo o processo acontece, sem o risco entender ou interpretar uma descrição de forma equivocada.

Incentivo à inovação

Ao verem a realidade virtual sendo utilizada para tantos propósitos, é possível que os estudantes também se sintam incentivados a usá-la para criar soluções inovadoras. Com o estímulo do educador, eles podem refletir sobre o dia a dia e identificar formas de aplicar essa tecnologia para minimizar ou eliminar problemas reais. ​

Democratização de oportunidades

Embora as experiências reais sejam importantes, nem todos os alunos têm a possibilidade de realizá-las. A realidade virtual democratiza pelo menos o acesso a esse tipo de conhecimento, pois traz à sala de aula situações que muitos estudantes não teriam como vivenciar de outra maneira.

Além da realidade virtual na sala de aula, existem outras alternativas para usar a tecnologia na escola. Quer saber como ela pode ajudá-lo a promover uma experiência de leitura desafiadora e potencializar a aprendizagem dos alunos? Converse com os especialistas da Guten e descubra uma solução digital inovadora. Aguardamos seu contato!

Compartilhe nas redes:

Leitura transforma

Siga a Árvore nas redes sociais /leianaarvore

   

Copyright © 2021 Árvore. Todos os direitos reservados.

Compartilhe nas redes: