EducaçãoAulas de Fenômenos

20 de setembro de 2016

Um dos grandes desafios para o mundo da educação, ao refletir sobre as práticas de ensino e aprendizagem, está no que se refere à renovação das abordagens empregadas. Recentemente, notícias sobre “Aulas de Fenômenos”, tidas como nova prática de ensino, fomentaram interessantes reflexões sobre sua utilização. Será que esse é um novo caminho a ser...

Um dos grandes desafios para o mundo da educação, ao refletir sobre as práticas de ensino e aprendizagem, está no que se refere à renovação das abordagens empregadas.

Recentemente, notícias sobre “Aulas de Fenômenos”, tidas como nova prática de ensino, fomentaram interessantes reflexões sobre sua utilização. Será que esse é um novo caminho a ser seguido? E como adotar este caminho? Como dar os primeiros passos em sala de aula?

A abordagem tem seu berço na Finlândia, país que valoriza a educação e que ocupa posição privilegiada em rankings como o PISA (“Programme for International Student Assessment”). A implementação desse método tem obtido respostas positivas e verdadeiramente satisfatórias entre pais e professores, que encontram os alunos motivados para aprender.

Mas quais as principais características dessa abordagem?

shutterstock_179225663
Créditos: Shutterstock
  • Interdisciplinar: as “Aulas de Fenômenos” são consideradas a mais nova forma de se abordar o ensino de questões interdisciplinares. Os alunos entram em contato com os conceitos de forma transversal, fazendo com que o conhecimento sobre determinado fato não fique restrito à uma única disciplina. O plano é mudar o foco. Mais do que formar indivíduos que sejam capazes de passar em concursos e entrar em boas faculdades, essa nova forma de ensino pretende formar pessoas que ajudem de forma ativa no progresso social, fazendo com que o conhecimento não fique restrito à sala de aula.
  • Avaliação em mão dupla: Os alunos ganham papel ativo na avaliação. O professor passa a ser avaliado através do feedback dos alunos. A avaliação passa a ser uma via de mão dupla, pois tanto alunos quanto docentes são avaliados de forma horizontal, assim como acontece em sociedade. Para isso, deve-se dar aos alunos meios de auto avaliação, que ultrapassam a escolha dos conteúdos, para que além de se avaliarem e ponderarem sua posição perante a matéria, possam avaliar os professores e a forma como eles transmitem o conteúdo. Além disso, a avaliação do professor passa a não ser a palavra final no resultado do aluno. O que, obviamente, altera o seu posto de poder. O poder de avaliar é horizontal e inclusive entre pares.
  • Aprender para a vida: A escolha dos temas de forma ativa também chama bastante atenção, pois a pessoa passa a aprender sobre determinado tema para a sua vida, e não somente para a escola. Isso faz com que quando uma situação-problema for lançada, possa-se encontrar um novo meio de solucioná-la, e não somente repetir uma velha forma, ou um discurso lido em apostila. O resultado do processo é a criação do que alguns estudiosos chamam de “Escola global”, onde os conhecimentos não ficam limitados à uma área exclusiva e a avaliação e sugestão de conteúdos não ocorre em uma única direção. Quando dizem que a Escola é uma versão da sociedade em pequena escala, esse é um bom modelo disso.

Quais os impactos no ambiente escolar?

O professor se coloca a serviço de uma equipe, de um plano em conjunto.

As “Aulas de Fenômenos” constituem uma abordagem de ensino muito promissora, é verdade, mas que ainda está em caráter experimental. As mudanças acarretadas são de certa forma profundas, pois interferem na forma de pensar do professor, do aluno, e da sociedade de maneira geral.

Para a adoção dessa nova prática de ensino, é necessária uma mudança no modo de trabalho do professor. Além do planejamento de sua disciplina, ele terá que pensar colaborativamente, em grupo, como os conceitos de sua matéria contribuem para o desenvolvimento dessa ou daquela competência. Assim, o professor se coloca a serviço de uma equipe, de um plano em conjunto (o que, claro, é mais desafiador).

Consequentemente, é necessário que sejam feitos investimentos na formação dos professores, com uma equipe de liderança segura e experiente que possa mostrar dificuldades e facilidades dessa nova prática.

Então, o que fazer?

Toda inovação traz consigo momentos de transição nos quais questionamentos, inseguranças e erros podem acontecer. Qualquer nova abordagem gera angústia. Porém, essa é parte necessária do processo evolutivo, do aprendizado. O sistema educacional em si é também uma entidade em constante formação, viva, que deve aprender com o mundo ao seu redor e se reinventar para melhor servir a sociedade. Acreditamos que este seja um momento importante para que novas visões e abordagens sejam testadas e implementadas no ambiente escolar, e para que o ciclo de aprendizado continue. A equipe Guten News acredita na força da inovação e da mudança!

Como dar os primeiros passos para inovar?

As aulas baseadas em “Fenômenos” tratam temas da vida real de forma interdisciplinar, e com ampla participação e autonomia dos alunos.

Para começar, é importante dar pequenos e constantes passos em direção ao novo. Nesse sentido, o Guten News é uma ótima alternativa aos professores que tenham interesse em testar aulas baseadas em “Fenômenos”, ou seja, que tratem temas da vida real de forma interdisciplinar, e com ampla participação e autonomia dos alunos. Quer exemplos? Nós separamos alguns para você!

  • Em nossa 3ª edição, a matéria “Trocando quadros por comida” possui uma atividade de pré-leitura na qual o aluno deve associar as imagens de obras de arte ao nome de seus respectivos autores. Aqui, professores de português podem trabalhar em parceria com os professores de artes. Esses (os professores de artes), por sua vez, podem aprofundar temas sobre os artistas abordados, mostrando os estilos adotados e a escola artística da qual fazem parte. Dessa forma, ambos os professores contribuirão para o aprimoramento e desenvolvimento da bagagem que o aluno carregará para sua vida.
  • Um outro exemplo é encontrado na 4ª edição, na qual publicamos uma matéria que fala sobre o ebola. O tema funciona como um elo entre disciplinas. Na atividade “Causa e efeito”, as áreas de português e ciências podem se unir para explorar o que é uma epidemia, como ela se espalha e como as doenças se desenvolvem em nosso corpo.

Os exemplos são muitos. A cada edição, você encontrará muitas possibilidades neste sentido. O uso do gênero jornalístico como unidade didática é uma escolha consciente da equipe Guten e busca exatamente propiciar tais oportunidades de aprendizado transversal. A conexão com temas atuais, reais, próximos de nossa realidade leva o o estudante a aprender para a vida, como propagado pelas novas metodologias. Dessa forma, as notícias e atividades do Guten News são pontos de partida para um trabalho rico e inovador. Cada professor pode adaptar as intervenções de acordo com sua realidade.

E aí, vamos começar?

Compartilhe nas redes:

Leitura transforma

Siga a Árvore nas redes sociais /leianaarvore

   

Copyright © 2021 Árvore. Todos os direitos reservados.

Compartilhe nas redes: